.

Filme: Zootopia – Essa Cidade é o Bicho (2016) | Resenha de Cinema

Filme: Zootopia: Essa Cidade é o Bicho (2016) - Resenha de Cinema disney movie judy nick raposa colelha

Oiê pessoal! Assistimos a estreia de Zootopia: Essa Cidade é o Bicho (Zootopia) e vim aqui compartilhar com vocês o que achei do filme! Se você ainda não assistiu, pode ler a resenha sem medo! Não vou estragar a surpresa! Aqui não tem spoilers.

 

Zootopia – Essa Cidade é o Bicho | Ficha Técnica

poster nacional br brasil brazil Filme Zootopia Essa Cidade é o Bicho (2016) - Resenha de Cinema

Sinopse: Judy Hopps (voz de Monica Iozzi) é uma coelha de uma fazenda isolada, filha de agricultores que plantam cenouras há muitas gerações. Mas ela quer seguir seu próprio sonho: se tornar policial e se mudar para a cidade grande, Zootopia, onde todas as espécies de animais, sejam presas ou predadores, vivem em harmonia. Judy enfrenta o preconceito dos outros, mas conta com a ajuda da raposa Nick Wilde voz de Rodrigo Lombardi),  que é malandro, oportunista, e infrator. Eles embarcam em uma aventura para desvendar um grande mistério que afeta toda a cidade.
Dirigido por: Byron Howard e Rich Moore
Gênero: Animação, Aventura, Comédia, Família (108 min – 2D e 3D)
Classificação Indicativa: Livre
Lançamento: 17 de março de 2016  | 04 de março de 2016 

 
Walt Disney Animation Studios | Walt Disney Pictures 

 

Resenha | Opinião

 

Zootopia é fantástico! Uma animação da Disney, dos mesmos produtores de Frozen e Operação Big Hero, que realmente possibilitou muitas reflexões! E, o melhor, é a sensação que deixou em mim ao sair do cinema: esperança! Muitos podem achar os temas como “esperança” e o “desejo de um mundo melhor” meio clichês em filmes da Disney. Inclusive, refleti muito sobre alguns desses aspectos na minha resenha do filme Tomorrowland: o lugar onde nada é impossíveleu adoro esse filme, por falar nisso! – Mas, a verdade é que Zootopia vai além do clichê.

Como sempre, amo o fato de poder analisar um filme além de seu visual e suas características técnicas cinematográficas – que são fantásticas em Zootopia, diga-se de passagem! – levando em consideração sua essência e suas mensagens. E quando um filme permite múltiplas reflexões e nos faz imergir totalmente na história – graças aos excelentes aspectos técnicos – as reflexões passam a ser mais intensas e significativas, como as que tive durante esse longa metragem.

Dentre essas reflexões, gostaria de destacar uma, que me acompanhou desde os primeiros minutos do filme até seu desfecho. Essa reflexão fala basicamente sobre o poder das nossas interpretações, do controle dos nossos medos e, principalmente, da confiança que temos em nós mesmos. Alguns filmes despertaram em mim algumas análises desse tipo, como Divertida Mente e, mais recentemente, O Bom Dinossauro e Kung Fu Panda 3. Mas Zootopia trouxe ainda mais subsídios para uma reflexão mais profunda.

Zootopia é vista como uma cidade utópica para muitos habitantes, com espécies diferentes convivendo em harmonia e se respeitando. Presas e predadores unidos e felizes! Apesar disso, existem muitos detalhes dessa trama que podem ser aplicados na nossa realidade não tão utópica.

Esse filme mostra a face das duas principais consequências que podem ocorrer quando sofremos bullying. E a maneira que ele faz isso é realmente interessante na minha opinião, pois propõe, de um modo original e cativante, uma discussão profunda sobre o tema. Vamos imaginar a seguinte situação:

De um lado temos alguém que “sonha alto”, que quer fazer a diferença no mundo, que deseja ir para um lugar onde você pode ser o que quiser, sem julgamentos nem preconceitos. Essa pessoa quer ir além do que todos supõem e acreditam, quer sair do status quo / do senso comum. Mas ninguém a considera capaz, afinal de contas já existe todo um pré julgamento e um “pré destino” para todos de sua espécie. Esses julgamentos não ocorrem apenas por pessoas mal intencionadas, também partem de pessoas próximas, que se preocupam com o bem estar e a segurança de quem amamtambém mencionei essa questão de bullying intencional e bullying não intencional na minha resenha do filme Hotel Transilvânia 2.

Logo no início, essa pessoa sonhadora enfrenta um dos piores bullyings até então em sua vida. Além de ser agredida verbalmente, também é agredida fisicamente. Tudo isso por acreditar em seus ideias de um mundo melhor, sem coibições e afrontas. Mas, ao passar por isso, ela ganha mais força e percebe o quão importante é provar para todos do que ela é capaz. A partir de então essa lembrança e toda as outras que envolvem a descrença de sua capacidade se transformam em combustível para dar força de perseguir seus sonhos.

De outro lado temos alguém que também “sonha alto”, que quer seguir seus desejos de ser totalmente diferente do que os padrões da sociedade querem definir. E, do mesmo modo que o personagem anterior, essa pessoa sofre bullying e agressões. Porém, ao invés de transformar isso a seu favor, ela se recolhe e passa a acreditar que não adianta “ir contra a maré”. Se todos a difamam por ser ladra, por exemplo, o “melhor” é ser ladra mesmo. Assim você se encaixa e não se machuca porque “se não tentar algo novo, não vai falhar” – como diz uma das frases de efeito tocantes do filme!

Eu já havia citado esses dois tipos de consequências na minha resenha de Goosebumps: Monstros e Arrepiosinclusive recomendo que leia essa resenha também se quiser refletir mais sobre o tema! – mas Zootopia não apenas permite fazer essa reflexão, ele de fato apresenta escancaradamente isso e mostra inúmeras possibilidades de comportamento que podem resultar do preconceito.

É claro que ninguém deveria cometer qualquer tipo de bullying, seja emocional ou físico, e que suas consequências devem ser levadas a sério. Mas, o que mais me encantou na história do filme, é que ela prova que você pode definir seu destino, independente dos julgamentos e preconceitos que você já passou em sua vida. Você pode escolher se vitimizar, viver sua vida como todos esperam e ser uma pessoa amargurada e infeliz por dentro. Ou você pode dar a volta por cima e se superar cada vez mais pra provar para os outros e, principalmente, para si mesmo, do quão longe você pode chegar. Eu penso que se você quer o respeito, a admiração e a confiança dos outros, você precisa se respeitar, se admirar e confiar em si mesmo primeiro.

Sim! É sua escolha! Você pode não ter controle sobre os atos dos outro, mas você pode definir se seus medos te controlarão ou se você acabará com eles. Tudo depende da sua interpretação, do seu ponto de vista. Não é uma tarefa fácil… Até porque alguns medos existem para nos proteger e nos assegurar de que não sofreremos sem necessidade. Mas, é importante que a gente reflita sobre nossos medos e encontre a resposta para a existência deles, sem se sabotar, sem mentir pra si mesmo.

Como uma das frases de efeito do filme diz, “não podemos deixar que o medo nos divida” , nem como sociedade nem como indivíduo. Quanto mais nos conhecemos de verdade, mais compreendemos os outros. E, cuidado, se você um dia tenta inferiorizar alguém, você pode acabar se tornando o que disse ao outro, como o filme sutilmente demonstra.

Hoje em dia muito se fala sobre os direitos das pessoas que vivem em sociedade e vemos muitas pessoas se vitimizarem e jogarem a responsabilidade da punição para alguém que tenha autonomia disso. Acontece que nem sempre nós teremos alguém para nos defender e nós temos que aprender a fazer isso sozinhos. Não quero dizer “fazer justiça com as próprias mãos” ou agredir alguém que nos agrediu. Estou me referindo a nos defendermos de nós mesmos, dos nossos pensamentos, medos, angústias e da vontade de nos transformarmos em vítima. Afinal de contas, além de pensarmos em nossos direitos, devemos pensar em nossos deveres também. E é seu dever se permitir ser feliz!

Zootopia – Essa Cidade é o Bicho é um filme fascinante! Super recomendo para qualquer idade! Ele de fato me cativou muito e me encheu de boas expectativas! Possui uma das melhores mensagens que já vi nos filmes dos últimos anos.

Vocês já assistiram Zootopia? Gostaram? Tem até participação da Shakira! #PodeIsso? Hehehe! Eu tenho mais reflexões pra compartilhar com vocês sobre o filme… Como os pensamentos que me ocorreram quando ouvi a frase “podemos ter evoluído, mas no fundo somos todos animais” … Que tal refletirmos juntos nos comentários? Ah! Não deixem de conferir o site oficial do filme, tem umas animações bem divertidas por lá!
Até a próxima! *Hoot-hoot*

Categoria:Resenhas
Compartilhe com os amigos:
| por Luciene Sans (Corujinha Lulu) às 11:55 do dia 19 de março de 2016 |

Posts Relacionados

Comente Aqui

O seu endereço de email não será publicado | Campos obrigatórios estão marcados com *

Se você tem um blog, clique para compartilhar um post.

Para usar avatar (imagem/foto junto com seu comentário), cadastre seu email em Gravatar.com

Ou pelo Facebook:

comentários

4 comentários sobre “Filme: Zootopia – Essa Cidade é o Bicho (2016) | Resenha de Cinema

  • 27 de outubro de 2016 em 12:53
    Permalink

    Adorei sua resenha, e gostaria de saber mais sobre sua opinião a respeito do filme. Vou passar Zootopia em um projeto com crianças e adolescentes, gostaria de saber mais de você.
    Grata, e atenciosamente,
    Kamila Mendes.

    Responder
    • 10 de novembro de 2016 em 17:57
      Permalink

      Olá Kamila!! Muito obrigada!! Adorei saber que gostou da minha resenha e amei saber que você vai trabalhar esse filme em um projeto com crianças e adolescentes! O que você gostaria de saber sobre mim? Terei o maior prazer em ajudar no que eu puder!
      Beijos!

      Responder